Dentre tantos males que aprisionam o nosso ser, um é tão comum hoje em dia que chega a ser epidêmico.

Levanta a mão quem nunca sentiu ansiedade na vida!

Difícil, né? Até mesmo aqueles que julgam não padecer desse mal, com certeza já sofreu dele vez ou outra. A ansiedade é o  grande mal da vida moderna.

Mas por que da vida moderna? Antes não existia ansiedade?

Sim, existia. Sempre existiu. Mas com o ritmo de vida que estabelecemos para nós mesmos nos dias de hoje, é praticamente impossível não sentir ansiedade.

Vivemos numa era em que esperar é visto como algo negativo, com demérito. Esperar é “perda de tempo”. Ter tempo livre é coisa de preguiçoso. Quem precisa das elaboradas ferramentas de tortura da Idade Média quando uma simples mensagem enviada via WhatsApp é seguida de momentos de desespero até o duplo clique da mensagem aparecer, indicando que a outra pessoa a leu? Mas a tortura não para por aí; o sádico do outro lado ainda demora 30 segundos para responder a mensagem.  T-R-I-N-T-A  S-E-G-U-N-D-O-S!!! Dava tempo de ler umas 10 atualizações na linha do tempo do Facebook. É então que se instaura uma verdadeira luta: prestar atenção ao que a pessoa à sua frente está falando enquanto arruma um jeito de se esquivar para conferir no celular se o fulano já respondeu ou não.

Pois bem, essa é a realidade dos nossos dias. Precisamos que tudo seja resolvido com um estalar de dedos. Tudo começou com o intuito de facilitar a nossa vida: é muito mais fácil apertar um botão para acender a luz do que ficar acendendo vela pela casa, né? Porém, chegamos a um ponto em que viramos verdadeiros reféns das nossas próprias criações. Temos tantas facilidades à disposição que simplesmente esquecemos que tudo na vida, incluindo a própria vida, é feita de processos! Não importa o quanto tenhamos evoluído comparado aos nossos primeiros ancestrais: o tempo de gestação de um bebê continua sendo 9 meses! Uma criança precisa de 9 meses para se desenvolver no útero materno. E é bem provável que esse tempo nunca se altere, independente de avanços científicos e tecnológicos por uma simples razão: para nos fazer lembrar que independente do que o ser humano crie, ainda assim somos obrigados a nos submeter às leis da natureza, e que por trás de todas as facilidades que utilizamos em nosso dia-a-dia, sempre há um processo. Um processo de desenvolvimento, de amadurecimento. Se hoje você possui luz elétrica em sua casa, agradeça à dedicação e à persistência de Thomas Edison. E aos eletricistas que fizeram as conexões elétricas por trás das paredes da sua casa. E à companhia de energia que envia a eletricidade para a sua casa. E aos operários que trabalham nas usinas que geram energia. Sempre há um processo.

Engraçado que ao mesmo tempo em que o ser humano procura desesperadamente resolver um problema, acaba criando outro. Com o mundo funcionando em uma velocidade cada vez mais rápida, temos inúmeras invenções que facilitam a nossa vida, porém trazem consigo o veneno da ansiedade. Ao invés de vermos alegria estampada nos rostos das pessoas, vemos cada vez mais tristeza, angústia. Como acompanhar a velocidade das máquinas se nós mesmos não somos máquinas? Quem consegue deitar na cama à noite e respirar aliviado, pensando: “ufa, hoje consegui resolver todas as pendências do meu dia”? E quer um prato mais cheio para a ansiedade atacar do que o acúmulo de tarefas não resolvidas em nossas mentes? E não precisam nem ser coisas tão importantes assim: uma simples louça que ficou na pia pra ser lavada, uma calça que deixou de ser levada pra fazer a barra, um e-mail que deixou de ser respondido, um projeto que deixou de ser finalizado… Todas essas pequenas tarefas do nosso dia-a-dia, sejamos nós grandes e atarefados empresários ou não, acumulam-se em nosso inconsciente naquele espaço reservado para “coisas que temos que fazer mas não conseguimos fazer agora” e simplesmente tiram o nosso sono, a nossa saúde, a nossa paz.

Esse mal domina as nossas vidas em todas as esferas: em nosso trabalho, nas tarefas domésticas, nos relacionamentos afetivos, em tudo. E o que a gente tem feito para evitar que nossos filhos padeçam do mesmo mal? Nada. Absolutamente nada. De fato, estamos perpetuando a ansiedade através não só dos nossos exemplos, mas também do tipo de estímulos que oferecemos às crianças. Pra que pegar papel e vareta e fazer uma pipa, montar uma casinha com caixa de sapato, montar uma barraca no meio da sala com lençol e uma cadeira, se podemos comprar tudo isso pronto em qualquer esquina? Pra que correr atrás de uma bola no parque se é possível fazer “o mesmo” através de uma tela? E as refeições, então? Como uma criança aprende de onde vem a comida que come se tudo o que ela vê é suco saindo pronto de dentro de uma caixa, um pacote saindo do congelador e indo direto pro microondas? E então é só apertar um botão e, como num passe de mágica, a comida aparece pronta sobre a mesa!

Ao ensinarmos às crianças que “apertar um botão” resolve todos os seus problemas, estimulamos sentimentos de ansiedade, impaciência e frustração. Reprimimos o movimento natural das crianças de buscar compreender a realidade à sua volta. Silenciamos sua curiosidade inata, reprimindo a energia que antes era gasta para explorar e descobrir o mundo. E, veja só, energia é um negócio interessante: quando ela não é gasta de uma maneira, ela precisa ser gasta de outra, afinal ela não desaparece com um estalar de dedos. E então vemos pais super preocupados com seus filhos hiperativos e sem foco, saindo do médico com prescrição de ritalina e aliviados por terem finalmente encontrado a “solução para os seus problemas”.

Pois bem, considerando tudo isso, infelizmente ainda temos um longo caminho pela frente para conseguir combater esse mal, mas espero que esse texto sirva de reflexão sobre como estamos conduzindo as nossas vidas e às dos nossos filhos. Existem inúmeras terapias e práticas como meditação, yoga, entre outras, que ao buscar reintegrar o nosso ser com o universo, aliviam a ansiedade. Por sorte, as pessoas já estão percebendo isso e muitas caminham para essa direção.

O TFT é um grande aliado para combater a ansiedade em seus vários aspectos e facetas. Leandro Percário, fundador do Instituto TFT Brasil, desenvolveu um programa online voltado especificamente para o combate desse mal, o “Supere sua Ansiedade”. Trata-se de um programa bem abrangente que ensina técnicas de TFT específicas para eliminar a ansiedade da sua vida. O mais legal é que a técnica é auto-aplicável, então você consegue se tratar da sua casa mesmo, e o valor é realmente bem acessível.

Dentro do programa, você aprende sobre a terapia TFT, além de ter acesso a um conteúdo que ensina técnicas para as mais diversas áreas, como:

  • lidar com traumas;
  • lidar com prazos;
  • falar em público com confiança;
  • atrair prosperidade;
  • atingir objetivos;
  • remover bloqueios internos;
  • acabar com a compulsão alimentar;
  • transformar crenças limitantes;
  • pilares para uma vida saudável;
  • lidar com problemas em relacionamentos amorosos;
  • lidar com dores amorosas

Esses são apenas alguns dos temas abordados.

Se você ainda tem receio de fazer uma sessão individual de TFT, eu recomendo muito que faça esse programa online. Você não tem ideia de como o seu conteúdo é transformador.

Clique aqui e saiba mais sobre o programa “Supere sua Ansiedade”

Nós podemos sentar e nos lamentar por tudo o que nos incomoda em nossas vidas. Ou podemos arregaçar as mangas e combater cada obstáculo que aparece à nossa frente. E para que isso aconteça, basta uma coisa: dar o primeiro passo!

Espero tê-los ajudado com essa dica de hoje.

Um abraço e até o próximo post!

Kátia Figueiredo

O mal que aprisiona nosso ser
Classificado como:                    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *